Eventos, Congressos e Campanhas

Dia 2 de Julho - Dia do Hospital

Vencer o Câncer é mais fácil quando se está cercado de amor.

Pequena História do Hospital de Amor - Hospital de Barretos

Na década de 1960, o único centro especializado para tratamento de câncer situava-se na capital do estado de São Paulo e os pacientes que apareciam no Hospital São Judas de Barretos com a doença, eram, em sua maioria, previdenciários de baixa renda, com alto índice de analfabetismo. Por isso, tinham dificuldades de buscar tratamento na capital, por falta de recursos, receio das grandes cidades, além da imprevisibilidade de vaga para internação.

Em 27 de novembro de 1967, foi instituída a Fundação Pio XII e, conforme memorando 234, de 21 de maio de 1968, assinado pelo Dr. Décio Pacheco Pedroso, diretor do INPS, passou a atender pacientes portadores de câncer.

Este pequeno Hospital contava com apenas quatro médicos: Dr. Paulo Prata, Dra. Scylla Duarte Prata, Dr. Miguel Gonçalves e Dr. Domingos Boldrini. Eles trabalhavam em tempo integral, dedicação exclusiva, caixa único e tratamento personalizado. Filosofia de trabalho que promoveu o crescimento da Instituição.

Devido à grande demanda de pacientes e ao velho e pequeno hospital não comportar todo crescimento, o Dr. Paulo Prata, idealizador e fundador, recebeu a doação de uma área na periferia da cidade e propôs a construção de um novo Hospital que pudesse responder às crescentes necessidades.

No ano de 1989, Henrique Prata, filho do casal de médicos fundadores do hospital, abraça a ideia do pai e com a ajuda de fazendeiros da cidade e da região realiza mais uma parte do projeto. O pavilhão Antenor Duarte Villela, onde, hoje, funciona uma parte dos dos ambulatórios do novo hospital, é inaugurado em 6 de dezembro de 1991.

Dando sequência ao projeto, que vem ganhando grandes proporções com a ajuda da comunidade, de artistas, da iniciativa privada e com a participação financeira governamental, outras áreas do hospital estão sendo construídas para atender, gratuitamente, os pacientes com câncer que chegam até nós.

Uma maneira que o hospital encontrou de homenagear estas pessoas que contribuem com esta causa é colocar nos pavilhões os nomes dos artistas.

Alguns dados sobre a história do "Hospital" no Brasil

Segundo o Ministério da Saúde, o hospital pode ser definido como a parte integrante de uma organização médica e social, cuja função básica consiste em proporcionar à população assistência médica integral, curativa e preventiva, sob quaisquer regimes de atendimento, inclusive o domiciliar, constituindo-se também em centro de educação, capacitação de recursos humanos e de pesquisas em saúde, bem como de encaminhamento de pacientes, cabendo-lhe supervisionar e orientar os estabelecimentos de saúde a ele vinculados tecnicamente.

Muitos estudiosos acreditam que os primeiros locais semelhantes a hospitais surgiram na Antiguidade com o objetivo principal de cuidar de feridos de guerra. Existem pinturas, por exemplo, datadas de 2920 a.C., em uma região localizada entre a Galileia e a Judeia, que sugerem um possível local de cura de guerreiros.

Apesar de existirem locais especializados em cura datados da Antiguidade, acredita-se que apenas com a expansão do Cristianismo, por volta do século IV, esses locais tornaram-se mais comuns e passaram a fornecer assistência, não só para doentes, mas também para peregrinos e pobres. Percebe-se aí o surgimento de uma visão humanística que mudou a organização social.

As pessoas que necessitavam de cuidados procuravam inicialmente os templos religiosos a fim de pedir a cura para o seu Deus. Ao abrigarem-se nesses locais, doentes, pobres e peregrinos recebiam cuidados e eram tratados pelos religiosos. Esses locais serviram como moldes para a criação dos hospitais como conhecemos atualmente.

Acredita-se que antes do século 18 os hospitais eram vistos apenas como forma de isolar da sociedade as pessoas que necessitavam de cuidados. Apenas no final do século XVIII o objetivo principal passou a ser a cura e a reintegração dos doentes.

No Brasil, o primeiro hospital criado foi a Santa Casa de Misericórdia de Santos, em São Paulo, no ano de 1543, por iniciativa do português Brás Cubas. A principio não havia médicos para atuar nesse local, sendo assim, os encarregados de cuidar dos enfermos eram os jesuítas. No dia 2 de julho de 1945, o atual prédio da Santa Casa de Misericórdia de Santos foi inaugurado pelo presidente Getúlio Vargas. Na ocasião, o prédio destacava-se pela sua estrutura e por ser um dos maiores do país.

Graças a esse importante passo para a promoção da saúde no Brasil, o dia 02 de julho passou a ser considerado o Dia do Hospital. Essa data é importante para a conscientização sobre a importância desses locais para toda a sociedade e as maneiras de melhorar o atendimento a fim de que essas instituições consigam atender as necessidades da população.

Atualmente, o Brasil possui mais de seis mil hospitais, e 24 deles possuem certificação de excelência internacional concedida pela JCI (Joint Commission International). Dentre os hospitais certificados, podemos citar o Hospital Nove de Julho, Hospital Albert Einstein, Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Hospital Rios D'Or e Hospital Sírio-Libanês.

Curiosidade: O Dia Mundial do Hospital é comemorado no dia 14 de julho e foi instituído pela Organização Mundial de Saúde.

Por Ma. Vanessa dos Santos - Brasil Escola