Artigos e Variedades
Saúde - Educação - Cultura - Mundo - Tecnologia - Vida
Nova indicação de tratamento com imunoterapia para o câncer de pulmão avançado no Brasil

Nova indicação de tratamento com imunoterapia para o câncer de pulmão avançado no Brasil

O uso de inibidores de checkpoint para o tratamento do câncer de pulmão de células não pequenas avançado recebeu a aprovação de uma nova indicação pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em 09 de setembro de 2019. Previamente, o tratamento com pembrolizumabe na primeira linha era aprovado apenas quando associado a quimioterapia, conforme os resultados do estudo KEYNOTE-189, ou como monoterapia apenas em pacientes com expressão de PDL-1 ? 50% baseado no estudo KEYNOTE-024. A nova indicação de uso é baseada no estudo fase III KEYNOTE-042, e expande o uso de pembrolizumabe em monoterapia para pacientes com doença localmente avançada ou metastática e PDL-1 ? 1%.

pulmofoto01.png

Os resultados do estudo clínico que motivaram essa nova aprovação foram demonstrados através do tratamento de 1.274 pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas avançado com expressão de PDL-1 (TPS – tumor proportion score) ? 1% que foram randomizados para receber tratamento de primeira linha com pembrolizumabe em monoterapia ou quimioterapia baseada em dupla de platina. Destaca-se que nesse estudo não foi permitida a inclusão de pacientes com alterações ativadoras do EGFR ou ALK. A análise final dos resultados apresentada no Congresso Europeu de Câncer de Pulmão de 2019, após um seguimento mediano de 14 meses demonstrou que o tratamento com pembrolizumabe reduziu o risco relativo de morte em 18% quando comparado ao tratamento quimioterápico na população total incluída no estudo (HR=0,82; IC de 95%: 0,71-0,93). Quando analisados os pacientes com PDL-1 ? 20% e PDL-1 ? 50%, o tratamento foi associado a um benefício em sobrevida global diretamente proporcional à expressão do marcador (HR=0,77 e HR=0,70, respectivamente). Uma análise exploratória conduzida nos pacientes com expressão de PDL-1 entre 1-49% demonstra que embora pembrolizumabe não tenha sido superior a quimioterapia convencional nesta população (HR=0,91; IC de 95%: 0,77-1,09), a imunoterapia pode ter um papel importante naqueles pacientes em que a quimioterapia não é desejável.

A taxa de resposta na população com PDL-1 ? 1% foi de 27% em ambos os braços de tratamento, entretanto a duração mediana de resposta naqueles que receberam pembrolizumabe foi de 20,2 meses, já naqueles tratados com quimioterapia a duração mediana do benefício foi de 8,4 meses.

Nas análises de segurança, a taxa de eventos adversos de graus igual ou maior a 3 relacionados ao tratamento foi de 18% com pembrolizumabe versus 41% com quimioterapia, destacando-se como eventos adversos mais comuns fadiga, dispneia, tosse, alterações do hábito intestinal e disfunções da tireoide.

Pulmofoto02.png

"O estudo KEYNOTE-042 demonstra que o pembrolizumabe é uma sólida opção de tratamento de primeira linha para pacientes com câncer de pulmão de células não pequenas avançado, histologia escamosa e não escamosa, EGFR e ALK negativos e PDL-1 positivo. Além de consolidar os dados do KEYNOTE-024, tal estudo permite o uso do pembrolizumabe como monoterapia também nos tumores com expressão de PDL-1 entre 1 e 49%, especialmente na população de pacientes em que a combinação de pembrolizumabe com quimioterapia não é factível", comenta a Dra. Carolina Kawamura Haddad, oncologista da BP, A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

 

Por Dr. Daniel Vargas P. de Almeida - Artigo MOC

Comente essa publicação