Artigos e Variedades
Saúde - Educação - Cultura - Mundo - Tecnologia - Vida
'Atividade leve' pode reduzir risco de depressão em jovens

'Atividade leve' pode reduzir risco de depressão em jovens

Os pesquisadores já sabem que a atividade física pode ajudar a diminuir o risco de depressão em adultos. Um novo estudo sugere que adolescentes jovens ativos são menos propensos a apresentar sintomas de depressão aos 18 anos, em comparação com seus pares sedentários.

Depressoatividade.jpg
Crianças ativas de 12 anos têm menos probabilidade de apresentar sintomas de depressão aos 18 anos do que seus pares mais sedentários, sugere um novo estudo.

Crianças ativas de 12 anos têm menos probabilidade de apresentar sintomas de depressão aos 18 anos do que seus pares mais sedentários, sugere um novo estudo.

"Nossas descobertas mostram que os jovens que são inativos por grandes proporções do dia durante a adolescência enfrentam um risco maior de depressão aos 18 anos", observa Aaron Kandola, estudante de graduação da University College London, no Reino Unido.

Kandola e colegas recentemente conduziram uma investigação sobre associações entre níveis de atividade física e risco de depressão entre adolescentes. Eles relatam seus resultados na revista The Lancet Psychiatry .

As descobertas da equipe apóiam as noções existentes de que a atividade física é benéfica não apenas para o corpo, mas também para a mente.

Além disso, o estudo mostra que uma atividade intensa não é necessária para colher os benefícios - exercícios leves podem ser suficientes.

"O preocupante é que a quantidade de tempo que os jovens passam inativos tem aumentado constantemente há anos, mas houve uma surpreendente falta de pesquisas de alta qualidade sobre como isso poderia afetar a saúde mental. O número de jovens com depressão também parece estar crescendo, e nosso estudo sugere que essas duas tendências possam estar ligadas ", diz Kandola.

Atividade leve ligada a menor depressão

A equipe analisou dados de 4.257 participantes matriculados no estudo de coorte da Universidade de Bristol, na década de 90 . Especificamente, eles analisaram as informações coletadas quando os participantes tinham 12, 14 e 16 anos de idade.

As informações incluíam dados referentes à atividade física registrada através de acelerômetros que os adolescentes concordaram em usar por pelo menos 10 horas em um período mínimo de 3 dias.

Graças aos acelerômetros, os pesquisadores foram capazes de descobrir se as crianças haviam praticado atividades leves, de moderada a vigorosa, ou se haviam levado uma vida em grande parte sedentária.

Nesse contexto, explicam os pesquisadores, atividades leves podem envolver caminhadas, enquanto atividades moderadas a vigorosas podem se referir a correr ou andar de bicicleta.

Os pesquisadores também levaram em conta os registros de sintomas de depressão - como humor baixo e perda de prazer em atividades anteriormente desfrutadas - por meio de questionários especializados.

Ao analisar esses dados, a equipe descobriu que, em geral, os níveis de atividade física dos adolescentes diminuíam entre as idades de 12 e 16 anos, período em que os participantes se tornaram mais sedentários.

Os pesquisadores também descobriram que, para cada 60 minutos extras de inatividade por dia nas idades de 12, 14 e 16, houve um aumento nos escores de depressão dos adolescentes aos 18 anos. Esse aumento foi de 11,1%, 8,0%, e 10,5%, respectivamente.

Por outro lado, para cada hora extra por dia gasta em atividades físicas leves aos 12, 14 e 16 anos, os adolescentes apresentaram menores escores de depressão aos 18 anos. As reduções foram de 9,6%, 7,8% e 11,1%, respectivamente.

"Descobrimos que não são apenas formas mais intensas de atividade que são boas para a nossa saúde mental - qualquer grau de atividade física que possa reduzir o tempo que passamos sentados provavelmente será benéfico", diz Kandola.

"Deveríamos incentivar pessoas de todas as idades a se moverem mais e a se sentarem menos, pois isso é bom para nossa saúde física e mental", acrescenta ele.

Fácil de encaixar nas atividades diárias

A equipe também identificou algumas associações entre o envolvimento em atividades moderadas a vigorosas e os menores escores de depressão no final da adolescência. No entanto, eles alertam que não possuem dados suficientes para estabelecer a força dessa associação.

No geral, como o estudo foi observacional, os pesquisadores reconhecem que não podem reivindicar a existência de uma relação causal entre os níveis de atividade física e a ocorrência de sintomas de depressão.

No entanto, eles explicam que, depois de se ajustar a fatores de confusão - incluindo o status socioeconômico dos participantes e a história de saúde mental de seus pais -, a associação entre atividade física leve e saúde mental aparentemente melhor permaneceu.

"Muitas iniciativas promovem exercícios em jovens, mas nossos resultados sugerem que atividades leves também devem receber mais atenção", observa o autor sênior do estudo, Joseph Hayes, Ph.D.

"Atividades leves podem ser particularmente úteis porque não exigem muito esforço e são fáceis de se encaixar nas rotinas diárias da maioria dos jovens. As escolas poderiam integrar atividades leves nos dias de seus alunos, como aulas em pé ou ativas. Pequenas mudanças em nossos ambientes podem tornar mais fácil para todos nós sermos um pouco menos sedentários. "

- Joseph Hayes, Ph.D.

Escrito por Maria Cohut em 13 de fevereiro de 2020 - MedcalNewsToday

Comente essa publicação