Artigos e Variedades
Saúde em dia - Tudo envolvendo sua saúde
Cientistas encontram novo biomarcador para depressão

Cientistas encontram novo biomarcador para depressão

Novas pesquisas descobriram que os níveis séricos de ácido antranílico no sangue, um metabólito da proteína triptofano, podem ajudar a prever o início e a progressão da depressão clínica.

Biomarcadordepresso.jpg
Níveis séricos elevados de ácido antranílico no sangue podem prever depressão maior.

Mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo estavam vivendo com depressão em 2017, e o número vem aumentando ano a ano desde então.

Nos Estados Unidos, 17,3 milhões de adultos, ou mais de 7% da população adulta, experimentaram pelo menos um episódio depressivo maior em 2017.

Numerosos estudos apontaram para uma ligação entre depressão e inflamação crônica nos últimos anos, levando a uma hipótese geral de que a inflamação poderia ser a causa raiz da depressão clínica.

Em uma tentativa de desvendar os mecanismos fisiológicos que podem explicar a depressão, os pesquisadores examinaram várias vias biológicas que levam à inflamação.

Destes, o chamado caminho da quinurenina (KYN) despertou algum interesse. KYN é uma das várias vias para metabolizar o triptofano - um aminoácido essencial que também é um precursor da serotonina, o "hormônio da felicidade".

Estudos anteriores sugeriram que baixos níveis de triptofano no corpo podem explicar a depressão e os distúrbios do sono.

Agora, o professor Kuniaki Saito e o professor associado Yasuko Yamamoto, da Universidade de Saúde Fujita no Japão, levantaram a hipótese de que os metabólitos - ou os produtos resultantes do metabolismo do triptofano - da via KYN poderiam servir como biomarcadores que podem ajudar a identificar o risco de depressão.

Metabólitos do triptofano e depressão

"Várias linhas de evidência científica sugerem que o metabolismo do triptofano está envolvido nos sintomas do [transtorno depressivo maior]", explica Yamamoto.

Portanto, para testar se certos metabólitos do triptofano no sangue podem sinalizar depressão em alguns indivíduos em risco, os pesquisadores testaram os níveis séricos no sangue de 61 participantes cujos testes clínicos de depressão indicaram um alto risco da doença.

Eles compararam esses resultados com os de 51 participantes de controle que não apresentavam esse risco e publicaram as descobertas na revista científica Nature Reports .

O professor Saito e sua equipe usaram cromatografia líquida de alta eficiência para medir com precisão as concentrações de metabólitos da via KYN.

Eles descobriram que as pessoas em risco de depressão tinham níveis séricos mais altos de ácido antranílico e que as mulheres com maior probabilidade de desenvolver depressão tinham níveis mais baixos de triptofano.

A via KYN consome e metaboliza o triptofano em ácido antranílico, aumentando seus níveis - um fato que fortalece os achados.

Uma correlação forte e direta

Em seguida, os pesquisadores queriam testar se os metabólitos poderiam prever a progressão da depressão nas pessoas. Para fazer isso, eles usaram dados de 33 indivíduos cujos escores de depressão clínica indicaram uma clara progressão em direção à condição em vários momentos.

A análise revelou uma clara correlação ao longo do tempo entre níveis cada vez mais altos de ácido antranílico e sintomas cada vez mais graves de depressão.

O professor Saito afirma que "esse achado confirma que existe de fato uma forte correlação direta entre os níveis de ácido antranílico no sangue e a gravidade da depressão na escala de depressão clínica".

Finalmente, os pesquisadores testaram os níveis do metabólito do triptofano em 48 pessoas com dor crônica e 42 indivíduos sem dor.

Aqui também, a análise revelou altos níveis de ácido antranílico e baixos níveis de triptofano em pessoas com dor crônica. Esses achados podem confirmar uma ligação entre dor crônica e inflamação, por um lado, e depressão, por outro.

"No geral", concluem os autores, "essas descobertas sugerem que [ácido antranílico] pode ser um biomarcador sensível que pode ser usado para detectar [pessoas com alto risco de desenvolver depressão]".

"O monitoramento dos metabólitos do triptofano pode ser útil para determinar a progressão da doença na depressão" e, como observa o Prof. Saito, "para a realização de medicamentos preventivos para sintomas depressivos".

Os resultados também podem ajudar a criar tratamentos personalizados para a depressão, escrevem os autores em seu artigo.

Cientistas encontram novo biomarcador para depressão Escrito por Ana Sandoiu - Fato verificado por P

Comente essa publicação