Artigos e Variedades
Saúde - Educação - Cultura - Mundo - Tecnologia - Vida
Câncer de mama: o estresse alimenta sua disseminação?

Câncer de mama: o estresse alimenta sua disseminação?

Câncer de mama: o estresse alimenta sua disseminação?

Novas pesquisas em modelos de ratos mostram que os hormônios do estresse podem ajudar o câncer de mama a crescer, se espalhar e diversificar, o que dificulta o tratamento.

 

Um estudo em ratos esclarece os mecanismos pelos quais o estresse pode contribuir para a propagação do câncer de mama.

O câncer de mama é um dos tipos mais comuns de câncer segundo o Instituto Nacional do Câncer.

estressefoto1(1).jpg

Embora o câncer de mama também seja um dos tipos mais tratáveis de câncer, uma vez que ele metastatiza - isto é, cresce e se espalha - pode ser rápido para diversificar

Quando os tumores de câncer são tão diversos, os médicos podem achar difícil aplicar o tipo certo de tratamento, já que a terapia que funciona para um tipo de tumor pode não ter efeito em outro.

Pesquisas anteriores que o Medical News Today abordou sugerem que a exposição ao estresse crônico (de longo prazo) é um fator que contribui para o crescimento de células cancerígenas no câncer de mama.

Agora, um novo estudo conduzido por uma equipe da Universidade de Basel e do Hospital Universitário de Basileia, na Suíça, descobriu mais evidências para sugerir que o estresse pode alimentar a disseminação de tumores de câncer de mama, talvez também apoiando sua diversificação.

O estudo - que a equipe realizou em um modelo de rato - descobriu que os hormônios do estresse apoiam a metástase do câncer de mama. Os cientistas também afirmam que os derivados do hormônio do estresse presentes em certos tratamentos antiinflamatórios podem realmente "desarmar" os agentes quimioterápicos .

O principal autor do estudo, Prof. Mohamed Bentires-Alj e colegas explicam suas descobertas em um novo estudo publicado na revista Nature .

"Heterogeneidade tumoral intra-paciente é um obstáculo para o tratamento", observam, "pois causa divergência em marcadores de diagnóstico entre tumores primários e metástases pareadas que podem levar a um tratamento inadequado". Eles dizem que novas pesquisas precisam encontrar uma maneira de lidar com essa incompatibilidade.

Os intrincados mecanismos em jogo

O professor Bentires-Alj e a equipe trabalharam com um modelo de camundongo de câncer de mama. Eles começaram estudando como os tumores originais eram diferentes dos tumores metastáticos, avaliando a atividade genética específica.

Os pesquisadores observam que em tumores metastáticos, um tipo de receptor chamado "receptores de glicocorticóides" era muito ativo. Esses receptores se ligam aos hormônios do estresse, incluindo o cortisol.

Além disso, a equipe descobriu que camundongos com metástases tinham níveis mais altos de cortisol e outro hormônio do estresse, a corticosterona, do que os roedores nos quais o câncer ainda não havia se espalhado.

Nova técnica de rastreamento de células lança luz sobre a propagação do câncer de mama

Os pesquisadores também observaram que quando esses hormônios do estresse estão muito presentes, eles ativam os receptores de glicocorticóides. Isso, explicam, desencadeia a disseminação de células cancerígenas e apóia sua diversificação.

Além disso, o Prof. Bentires-Alj e seus colegas viram que os receptores de glicocorticóides também interagem com derivados sintéticos do cortisol - por exemplo, a dexametasona - que os médicos usam como antiinflamatórios para abordar alguns dos efeitos colaterais da quimioterapia.

Essa interação, no entanto, parece interferir em alguns agentes quimioterápicos, neutralizando seus efeitos. É o que acontece com o paclitaxel, um medicamento para quimioterapia, por exemplo; torna-se menos eficaz na presença de dexametasona.

Com base nesses resultados, os cientistas aconselham os médicos a terem cautela ao prescreverem hormônios glicocorticoides para o tratamento do câncer de mama, caso acabem fazendo mais mal do que bem.

Bentires-Alj e equipe também explicam que, da mesma forma, a inibição dos receptores de glicocorticóides pode ser uma nova abordagem útil no tratamento do câncer de mama. "A heterogeneidade do tumor é um obstáculo sério para a terapia", explica o professor Bentires-Alj.

"Estes resultados destacam a importância do controle do estresse em pacientes - e especialmente aqueles com câncer de mama triplo negativo. Técnicas moderadas de exercício e relaxamento têm se mostrado correlacionadas com melhor qualidade de vida e maior sobrevida em pacientes".

Prof. Mohamed Bentires-Alj

Por Maria Cohut Fato verificado por Jasmin Collier - MedcalNewsToday

Comente essa publicação