Artigos e Variedades
Mundo Sem Limites
Alzheimer e demência no Brasil - O que você precisa saber

Alzheimer e demência no Brasil - O que você precisa saber

No Brasil, mais de 1 milhão de pessoas vivem com alguma forma de demência. Em todo o mundo, ao menos 44 milhões de pessoas vivem com demência, tornando a doença uma crise global de saúde que deve ser resolvida.

Um diagnóstico de Alzheimer muda a vida da pessoa portadora da doença, além da vida de seus familiares e amigos, mas atualmente há informações e suporte disponíveis. Ninguém precisa enfrentar a doença de Alzheimer ou qualquer outra demência sozinho.

Sobre o Alzheimer e demência

A doença de Alzheimer é o tipo de demência mais comum e também é um termo geral usado para descrever as condições que ocorrem quando o cérebro não mais consegue funcionar corretamente. O Alzheimer causa problemas na memória, pensamento e comportamento. Nos estágios iniciais, os sintomas de demência podem ser mínimos, mas pioram conforme a doença causa mais danos ao cérebro. A taxa de progresso da doença é variável conforme a pessoa, contudo, pessoas portadoras de Alzheimer vivem em média até oito anos após o início dos sintomas.

Apesar de não haver atualmente tratamentos que impeçam o progresso da doença de Alzheimer, há medicamentos para tratar os sintomas de demência. Nas últimas três décadas, as pesquisas sobre demência proporcionaram uma compreensão muito mais profunda sobre como o Alzheimer afeta o cérebro. Hoje em dia, os pesquisadores continuam a buscar tratamentos mais eficientes e a cura, além de formas para impedir o Alzheimer e melhorar a saúde cerebral.

Perda de memória e outros sintomas de Alzheimer

Problemas com a memória, dificuldade principalmente em lembrar informações recentemente aprendidas, são normalmente os primeiros sintomas da doença de Alzheimer.

Conforme envelhecemos, nossos cérebros mudam e podemos ocasionalmente apresentar dificuldades para lembrar alguns detalhes. No entanto, a doença de Alzheimer e outras demências causam uma perda de memória e outros sintomas significativos o suficiente para interferir com a vida diária das pessoas. Esses sintomas não são naturais do envelhecimento.

Nem toda perda de memória é causada por Alzheimer. 
Se você ou alguém que você conhece está apresentando problemas de memória ou outros sintomas de demência, consulte um médico. Algumas causas de sintomas, tais como efeitos colaterais de medicamentos e deficiências de vitaminas, são reversíveis.

Além da perda de memória, os sintomas de Alzheimer incluem:

  • Problemas para completar tarefas que antes eram fáceis.
  • Dificuldades para a resolução de problemas.
  • Mudanças no humor ou personalidade; afastamento de amigos e familiares.
  • Problemas com a comunicação, tanto escrita como falada.
  • Confusão sobre locais, pessoas e eventos.
  • Alterações visuais, como problemas para entender imagens.

Familiares e amigos podem notar os sintomas de Alzheimer e de outras demências progressivas antes da pessoa que está passando por essas mudanças. Se você, ou alguém que você conhece, está sentindo os possíveis sintomas de demência, é importante buscar uma avaliação médica para encontrar a causa desses sintomas.

Fatores de risco de Alzheimer

Apesar de ainda não compreendermos todos os motivos de por que algumas pessoas desenvolverem a doença de Alzheimer e outras não, as pesquisas nos proporcionaram um melhor entendimento de quais fatores as expõem a um maior risco.

- Idade. O avanço da idade é o maior fator de risco para o desenvolvimento da doença de Alzheimer. A maioria das pessoas diagnosticadas com Alzheimer tem 65 anos de idade ou mais.
Apesar de muito menos comum, o Alzheimer prematuro pode afetar pessoas com idade inferior a 65 anos. Estima-se que até 5 por cento das pessoas portadoras de Alzheimer tiveram a doença prematuramente. O Alzheimer prematuro é normalmente diagnosticado de forma errada. 

- Membros da família com Alzheimer. Se os seus pais ou irmãos desenvolverem Alzheimer, você tem uma maior probabilidade de também desenvolver a doença do que alguém que não tenha um parente de primeiro grau portador de Alzheimer. Os cientistas não compreendem completamente o que causa o Alzheimer nas famílias, mas fatores genéticos, ambientais e de estilo de vida podem influenciar.

- Genética. Os pesquisadores identificaram diversas variações genéticas que aumentam as chances do desenvolvimento da doença de Alzheimer. O gene APOE-e4 é o gene de risco mais comum associado ao Alzheimer; estima-se que ele influencie até vinte e cinco por cento dos casos de Alzheimer.

Os genes determinísticos são diferentes dos genes de risco, pois eles garantem que a pessoa desenvolverá a doença. 
A única causa conhecida do Alzheimer é herdando um gene determinístico. O Alzheimer causado por um gene determinístico é raro, e ocorre possivelmente em menos de 1 por cento dos casos de Alzheimer. Quando um gene determinístico causa Alzheimer, recebe o nome de "doença autossômica dominante de Alzheimer (ADAD, na sigla em inglês)". 

  • Deficiência Cognitiva Leve (DCL). Os sintomas da DCL incluem alterações na capacidade de pensar, mas esses sintomas não interferem com a vida cotidiana e não são tão graves como os causados por Alzheimer ou outras demências progressivas. Portar DCL, principalmente DCL que envolva problemas de memória, aumenta o risco de desenvolvimento de Alzheimer e outras demências. Entretanto, a DCL nem sempre é progressiva. Em alguns casos ela pode ser reversível ou se manter estável. 
  • Doença cardiovascular. As pesquisas sugerem que a saúde do cérebro está fortemente relacionada com a saúde do coração e dos vasos sanguíneos. O cérebro obtém do sangue o oxigênio e nutrientes necessários para o seu funcionamento normal, e o coração é o responsável por bombear sangue para o cérebro. Portanto, fatores que causam doenças cardiovasculares também podem estar relacionados com um maior risco de desenvolvimento de Alzheimer e outras demências, incluindo fumar, obesidade, diabetes, alto colesterol e alta pressão sanguínea na meia-idade. 
  • Educação e Alzheimer. Estudos associaram menos anos de educação formal com um maior risco de Alzheimer e outras demências. Não há um motivo claro para essa associação, mas alguns cientistas acreditam que mais anos de educação formal podem ajudar a aumentar as conexões entre os neurônios, permitindo ao cérebro o uso de rotas alternativas de comunicação entre os neurônios ao ocorrerem mudanças relacionadas com o Alzheimer e outras demências. 
  • Traumatismo craniano. O risco da doença de Alzheimer e outras demências aumenta após um traumatismo craniano moderado ou grave, como uma pancada na cabeça ou ferimento no crânio que cause amnésia ou perda de consciência por mais de 30 minutos. Cinquenta por cento dos traumatismos cranianos são causados por acidentes automobilísticos. Pessoas que recebem ferimentos no cérebro repetidamente, como atletas e lutadores, também possuem um maior risco de desenvolvimento de demências e deficiências na capacidade de pensar.

Diagnóstico de Alzheimer

Não existe um simples exame que indique se a pessoa é portadora de Alzheimer. O diagnóstico requer uma ampla avaliação médica, a qual pode incluir:

Há um exame para
detectar Alzheimer?

Não existe uma forma simples de detectar o Alzheimer. O diagnóstico requer um exame médico completo. Exames de sangue, testes de estado mental e imagiologia cerebral podem ser usados para determinar a causa dos sintomas.

  • Histórico médico da sua família
  • Exame neurológico
  • Testes cognitivos para avaliar a memória e o pensamento
  • Exame de sangue (para descartar quaisquer outras possíveis causas dos sintomas)
  • Imagiologia cerebral

Apesar de os médicos normalmente conseguirem determinar se a pessoa é portadora de demência, pode ser mais difícil distinguir o tipo da demência. Erros de diagnósticos são mais comuns em Alzheimer prematuro.

Receber um diagnóstico preciso durante a fase inicial da doença é importante, pois permite:

  • Uma maior probabilidade de se beneficiar dos tratamentos disponíveis, os quais podem melhorar a qualidade de vida
  • A oportunidade de receber serviços de ajuda
  • Uma oportunidade de participar de testes e estudos clínicos
  • Uma oportunidade de expressar desejos pessoais em relação aos cuidados e vida futura
  • Colocar planos legais e financeiros em ordem

Tratamento e suporte para Alzheimer

Embora atualmente não existam tratamentos disponíveis para impedir ou diminuir o ritmo dos danos cerebrais causados pela doença de Alzheimer, diversos medicamentos podem ajudar a melhorar temporariamente os sintomas de demência em algumas pessoas. Esses medicamentos funcionam aumentando os neurotransmissores no cérebro.

Você está preocupado(a) com os sintomas? Acesse Alzheimer Brasil > para ver uma lista completa de centros de diagnósticos no Brasil. 

Os pesquisadores continuam a buscar formas de melhor tratar o Alzheimer e outras demências progressivas. Atualmente, estão em andamento dezenas de terapias e tratamentos farmacológicos com foco em impedir a morte das células cerebrais associadas ao Alzheimer.

Além disso, o uso de sistemas de apoio e intervenções comportamentais não farmacológicas pode melhorar a qualidade de vida das pessoas portadoras de demência e de seus cuidadores e familiares. Isso inclui:

-Tratamento de condições médicas coexistentes

- Coordenação dos cuidados entre profissionais da saúde

- Participação em atividades, o que pode melhorar o humor

- Intervenções comportamentais (para ajudar com as mudanças comportamentais comuns, como agressão, insônia e agitação)

- Educação sobre a doença

- Criação de uma equipe de cuidados para suporte

Cuidados

A ajuda está disponível

A Associação Brasileira de Alzheimer (ABRAz) oferece ajuda para quem está lidando com a doença de Alzheimer. 
Cuidar de alguém com a doença de Alzheimer ou outra demência pode ser tanto gratificante como desafiador. Nos estágios iniciais da demência, a pessoa pode permanecer independente e necessitar de muito pouco cuidado. No entanto, conforme a doença progride, os cuidado precisarão ser intensificados, finalmente resultando na necessidade de assistência em todos os momentos.

Frequentemente, ouvimos de cuidadores e familiares que um dos aspectos mais frustrantes do Alzheimer é a mudança comportamental que ele causa. Muitas informações estão disponíveis para ajudar os cuidadores a saberem o que devem esperar e como devem se adaptar durante os estágios inicial, intermediário e final da doença.

Como ajudamos

Sendo uma organização de saúde voluntária líder mundial dedicada ao cuidado, suporte e pesquisas envolvendo o Alzheimer, a Alzheimers Association busca melhorar a vida daqueles que enfrentam a doença de Alzheimer e outras demências. Financiamos pesquisas importantes; fornecemos educação e recursos; criamos conscientização e buscamos, em parceria com o governo, organizações privadas e sem fins lucrativos, trabalhar em busca da nossa visão de um mundo sem a doença de Alzheimer.

Referências: 

Todos os Cédito à Alzheimer's Association - Alz.org Brasil - Informações Sobre Alzheimer e Demência

Obtenga más información sobre la misión de la Alzheimers Association.

Alzheimer's Association - Alz.org Brasil - Informações Sobre Alzheimer e Demência

Comente essa publicação